http://fashiongonerogue.com/boris-ovini-dahse-magazine-henriett-barabas/

http://fashiongonerogue.com/laura-kampman-ben-toms-interview-russia-november-2012/

http://fashiongonerogue.com/zosia-nowak-sports-strict-style-for-elle-greece-november-2012-by-dimitris-skoulos/

http://fashiongonerogue.com/milagros-schmoll-contributor-magazine-pierre-dal-corso/

http://fashiongonerogue.com/julia-stegner-lights-up-reserved-fall-2012-campaign/

http://42b.com.br/blog/spring-wind/

fuckyeahdaphnegroeneveld:

Daphne Groeneveld for Self Service Magazine No. 35 - Fall/Winter 2011-12

(via )

fuckyeahdaphnegroeneveld:

Daphne Groeneveld for Self Service Magazine No. 35 - Fall/Winter 2011-12

(via )

Tagged: daphne groeneveld mariano vivanco muse magazine black and white 
Tagged: daphne groeneveld mariano vivanco muse magazine black and white 
Tagged: daphne groeneveld mariano vivanco muse magazine black and white 
Tagged: cintia dicker mark hunter wildfox 
Tagged: cintia dicker mark hunter wildfox 

saintcrispin:

“He looked like your dad?”
“Yeah.”

(Source: saintwhatever, via helenan)

(Source: nowserving, via positivelynoteworthy)

Tagged: kate moss rag and bone craig mcdean 
Tagged: kate moss rag and bone craig mcdean 

“… Eu me desnudo emocionalmente quando confesso minha carência – que estarei perdido sem você, que não sou necessariamente a pessoa independente que tentei aparentar. Na verdade, não passo de um fraco, cuja noção dos rumos ou do significado da vida é muito restrita. Quando choro e lhe conto coisas que, confio, serão mantidas em segredo, coisas que me levarão à destruição, caso terceiros tomem conhecimento delas, quando vou a festas e não me entrego ao jogo da sedução porque reconheço que só você me interessa, estou me privando de uma ilusão há muito acalentada de invulnerabilidade. Me torno indefeso e confiante como a pessoa no truque circense, presa a uma prancha sobre a qual um atirador de facas exercita sua perícia e as lâminas que eu mesmo forneci passam a poucos centímetros da minha pele. Eu permito que você assista a minha humilhação, insegurança e tropeços. Exponho minha falta de amor-próprio, me tornando, dessa forma, incapaz de convencer você (seria realmente necessário?) a mudar de atitude. Sou fraco quando exibo meu rosto apavorado na madrugada, ansioso ante a existência, esquecido das filosofias otimistas e entusiasmadas que recitei durante o jantar. Aprendi a aceitar o enorme risco de que, embora eu não seja uma pessoa atraente e confiante, embora você tenha a seu dispor um catálogo vasto de meus medos e fobias, você pode, mesmo assim, me amar…”

— Alain de Botton